Aluguel de ações: descubra o que é


O aluguel de ações ainda é uma atividade pouco conhecida por alguns investidores. Ela permite que você empreste os seus papéis em troca de uma taxa. Então ela pode ser uma forma de aumentar a rentabilidade da sua carteira. Já para o locatário, esta é uma oportunidade de investimento. Sob uma visão macro, a operação tem como objetivo uma relação de ganha-ganha, principalmente para quem empresta os ativos.


De forma geral, o aluguel de ações é um método de investimento onde não existe a aquisição efetiva de uma ação. É a operação em que o investidor, conhecido como doador, disponibiliza suas ações para o comprador, chamado de tomador, por uma garantia e uma taxa prefixada.


Na maioria das vezes, o doador, que é o detentor dos ativos, traça uma estratégia de longo prazo e, enquanto espera a valorização de seus ativos, decide alugar suas ações ao tomador para aumentar sua rentabilidade. Já os tomadores, costumam ser investidores que necessitam dos ativos temporariamente para viabilizar alguns tipos de operações a curto prazo, como vendas a descoberto ou para liquidar operações já realizadas.


Normalmente, o tomador acreditando na queda da ação, faz a venda de ativos que não possui e, por isso, precisa tomar o aluguel para entregar as ações vendidas. Posteriormente, ele faz a compra a um preço inferior e as devolve ao doador, obtendo, assim, lucro na operação.


O aluguel de ações funciona de forma semelhante ao aluguel de imóveis. Para iniciar o processo, o investidor com interesse em se tornar doador deve informar à sua corretora por e-mail ou por meio do Home Broker, o interesse de alugar suas ações, especificando quais papéis e as quantidades.


Os ativos que, atualmente, podem ser emprestados são: ações, BDRs, Units, ETFs e FIIs. A corretora comunica a oferta para emprestar ativos de seus clientes para a B3 e atua como intermediário entre o doador e o tomador do empréstimo, registrando o contrato de aluguel na Bolsa. Para alugar os ativos, o tomador deve fornecer uma garantia à corretora com um valor considerável para assegurar a liquidação do empréstimo, além de pagar uma taxa de remuneração pelo aluguel ao doador.