As ações que subiram mais de 100% no último ano


O pânico dos investidores com o coronavírus fez da Bolsa uma verdadeira montanha-russa desde que a pandemia do novo coronavírus chegou ao país. O Ibovespa desabou e atingiu o fundo do poço no final de março de 2020, acumulando perda de 25%.


O benchmark da Bolsa registrou ganhos de 80,8%, saindo da casa dos 63 mil para os 114 mil pontos. Desde então, os negócios começaram a reagir. Algumas ações quase zeraram as perdas no ano e outras até registram valorização, segundo levantamento da empresa de informações financeiras Economática.


Ainda segundo a Economatica com divulgação da InfoMoney, levando em consideração as ações da Bolsa com volume médio de negociação diária acima de R$ 5 milhões, 61 ações registraram ganhos superiores a 100%, sendo que algumas chegaram a registrar alta de quase 900%. Vamos ver algumas delas?


Taurus Armas (TASA4)


A campeã de alta obteve ganhos de 890% no período. Conhecidos por sua forte volatilidade e indicados para investidores com maior apetite ao risco, os papéis da fabricante de armas ganham destaque em meio aos seus planos de expansão e também pelo noticiário político.


A companhia também divulgou bons resultados de 2020 com lucro líquido de R$ 263,6 milhões em 2020, salto de 507% frente ao desempenho de 2019, quando lucrou R$ 43,4 milhões. Apenas no quarto trimestre, o lucro foi de R$ 279,5 milhões, ante R$ 22,1 milhões um ano antes.


Locaweb (LWSA3)


Novata na B3, a empresa em sua estreia da ação, precificada a R$ 4,30 no IPO, em 6 de fevereiro, foi de forte alta para a mínima de R$ 2,55 também em 23 de março. Porém, desde então, os ativos dispararam cerca de 875%, mais do que recuperando a perda registrada até então.


Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VVAR3)


Com ganhos respectivos de 190,73% e 173,92% no período, em meio ao forte crescimento das vendas no e-commerce com as maiores restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus. No último trimestre de 2020, o Magalu foi mais uma vez o destaque com alta de 120% do e-commerce frente 2019, enquanto a Via Varejo, teve que fazer uma verdadeira virada em suas operações para direcionar as suas operações para o online.