As cidades mais empreendedoras do Mato Grosso


Em Mato Grosso, o número de empreendedores segue em expansão desde a crise em 2016. De acordo com dados divulgados pelo SEBRAE, em uma pesquisa recente feita em 2020, mesmo com os impactos da pandemia apenas 2,90% das empresas encerram as suas atividades. 72% deste grupo pretende reabrir esse negócio fechado ou abrir um novo. Mesmo com todas as adversidades do momento, quais são as cidades mais empreendedoras do estado? No texto de hoje vamos destacar algumas delas. Fique com a gente!

Cuiabá


A capital do estado aparece como uma das mais empreendedoras, justamente por resultados de iniciativas que começaram em 2016, quando Mato Grosso ganhou destaque no país. De acordo com o Seplan, iniciativas como o Startup Weekend Cuiabá, a Conferência Anprotec e o MT Stars, inspirado no SP Stars, são exemplos de atividades realizadas pelo governo para incentivar e fortalecer os empreendedores.


Rondonópolis


Para incentivar o empreendedorismo da cidade, o governo recebeu no ano de 2019 o maior evento de empreendedorismo do mundo. O evento teve a missão de fomentar o empreendedorismo e a criação e fortalecimento das comunidades de startups em todo o mundo. Os participantes receberam o suporte de especialistas de diversas áreas para desenvolver e aprimorar um modelo de negócio. A cidade se destaca também no empreendedorismo de turismo, impulsionando a geração de renda e o aumento direto e indireto de empregos na cidade.


Sorriso


Com incentivos advindos do governo, Sorriso também é destaque de empreendedorismo no estado. Incentivos estes financeiros, educacionais e de suporte, como a presença do Sebrae, que contribui diretamente com o empreendedor. Sorriso é considerado um pólo regional, atendendo 15 municípios vizinhos em seus 35 estabelecimentos.


Uma das metas do município é diversificar a produção, implantando novas atividades rurais e seu beneficiamento. Por conta disso, a industrialização de soja, milho e algodão é um projeto em andamento. Também faz parte dos planos incrementar a área dedicada ao plantio da cana-de-açúcar, simultaneamente com a indústria do açúcar e do álcool. A ampliação e implementação de projetos nas áreas de avicultura, suinocultura, piscicultura e hortifrutigranjeiros são alternativas possíveis.