Cultura de investimentos no Brasil




Já era a época que investir dinheiro era exclusividade apenas dos grandes economistas ao redor do mundo. Com o avanço da Internet e a disseminação de conteúdo, o acesso a esse tipo de informação se tornou mais palpável. Com uma rápida pesquisa no Google ou Youtube, é possível encontrar pessoas que estão aptas a ensinar os conceitos desse mercado de forma simples e didática.

Cultura do Investimento no Brasil

Segundo o site Brasil Bolsa Balcão, os investidores individuais respondem por 23,06% da participação de investimentos na Bolsa de Valores, com um total de R$ 240,399 bilhões, entre compras e vendas. Ainda é um pouco abaixo do volume de R$ 245,828 bilhões, ou 23,58%, dos investidores institucionais. Em contrapartida, 48,35% ou R$ 504,037 bilhões de estrangeiros investem e movimentam o mercado.

Já uma outra pesquisa realizada pela Pesquisa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) mostrou que 58% dos brasileiros não têm nenhum investimento financeiro. Esses dados demonstram que quando comparados com os estrangeiros, estamos muito longe de atingir um patamar “ideal” de conhecimento do nosso próprio dinheiro.

A cultura do investimento tem sido implementada aos poucos no país por meio das faculdades e de pessoas que estão dispostas a ajudar, como é o caso da Nathalia Arcuri, Thiago Nigro e Nath Finanças, que falam diretamente com o público de forma gratuita. Mas mesmo assim, eles sabem que um conteúdo de qualidade precisa ser direcionado para a realidade do indivíduo, por isso, as informações que eles passam são básicas e introdutórias.

Momento de mudança gradual

Com a queda dos juros básicos da economia, que chegaram na última reunião do Comitê Política Monetária (Copom) a 2,25% ao ano, os brasileiros vão cada vez mais sendo levados à Bolsa de Valores, já que investir em renda não é tão vantajoso como antes.

Em maio de 2020, apesar da pandemia do novo coronavírus, que poderia espantar o investidor, dada a alta volatilidade que se viu, a B3 (B3SA3) informou que o número de CPFs que investem na bolsa chegou a 2.483.286, um aumento expressivo de 47,72% com relação a 2019. Mesmo com o alto risco que a bolsa oferece, essas pessoas tomaram coragem para dar o primeiro passo rumo ao mundo da rentabilidade.