Previsão para a safra de soja no Mato Grosso


Após o Natal de 2021, produtores de soja em Mato Grosso começaram a colher os primeiros campos da região, mas com os trabalhos ainda muito localizados, poucos se arriscam a prever a produtividade das lavouras ou estimar o percentual colhido no maior fornecedor da oleaginosa no país.


O Mato Grosso deverá colher um recorde de 38,14 milhões de toneladas, alta de 5,8% na comparação anual, segundo a última estimativa do Imea, que indica que o estado responderá por mais de um quarto da safra do Brasil, maior produtor e exportador global.


De acordo com o Sindicato Rural de Campo Novo do Parecis, são mais de 364 mil hectares plantados com soja nesta safra no município. Por lá, a expectativa geral é fechar a média final de produtividade com média de 60 sacas por hectare, oito a mais do que a temporada passada.


Com a finalização da semeadura, o Imea revisou a estimativa de área destinada para o cultivo do grão em 0,14%, ante o relatório anterior, para 10,85 milhões de hectares. Um aumento de 3,73% em relação à (área da) safra 2020/21, em reflexo dos preços e demanda mundial elevada, bem como o adiantamento do período das chuvas, o que colaborou para os avanços da semeadura em tempo recorde no Estado.


Por outro lado, o instituto ressaltou que as previsões de chuvas para o início de 2022 continuam indicando volumes acima da média dos anos anteriores. Com isso, o instituto levanta um ponto de atenção com relação ao planejamento dos produtores do Estado frente às condições climáticas previstas no período da colheita, a fim de mitigar os efeitos do excesso de umidade nas lavouras de Mato Grosso nesse período.


Apesar de todos os contratempos, segundo pesquisa da Reuters, o Brasil caminha para produzir um recorde de mais de 140 milhões de toneladas na safra 2021/2022. Tal resultado ainda é incerto, mas possui grandes chances de se concretizar com o Mato Grosso tendo participação expressiva neste cenário.

whatsapp-logo-1.png