Sistema digital cria alerta sobre doenças de soja e algodão


A Embrapa e a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) desenvolveram o Monitora Oeste, um sistema digital que envia ao celular alertas do avanço da mancha de ramulária do algodão e da ferrugem asiática da soja sobre o Oeste da Bahia.


Entre elas, estão a ferrugem asiática e a mancha de ramulária, que atacam lavouras de algodão e soja, nas propriedades rurais do oeste baiano. Estas enfermidades podem gerar perdas estimadas em 30% na cotonicultura, e de até 80%, na sojicultura.


Desenvolvida ao longo de dois anos, a tecnologia está disponível para navegação gratuita em smartphones (Android e IOS) e em plataforma web. Ao cadastrar-se, o usuário passa a receber informações sobre os focos e as condições climáticas favoráveis para a proliferação das doenças e para a dispersão dos esporos na região.


Dentro do aplicativo, o usuário encontrará sete funcionalidades: ocorrências e alertas; gráfico de ocorrências; mapa de ocorrências; armadilhas; mapa de armadilhas; favorabilidade e agrometeorologia.


A tecnologia possibilita a aplicação de filtros, como espécie (doença), municípios, núcleos regionais e safra. A versão para Web traz ainda mais recursos, como o tipo de área em que a ocorrência foi registrada, a sobreposição de camadas e a geração e exportação de mapas em alta resolução.


O banco de dados do Monitora Oeste é alimentado por uma rede de informantes composta por pesquisadores, extensionistas e produtores regionais que percorrem os campos baianos de plantações de soja e de algodão durante o período de safra.


Ao descobrirem focos de doenças, eles lançam as informações no sistema, e, instantaneamente, os alertas chegam ao celular do produtor cadastrado, dando-lhe tempo para a tomada de decisão.


Para Julio Bogiani, pesquisador da Embrapa Territorial, líder do desenvolvimento do produto, o Monitora Oeste permitirá aumentar a eficiência de controle das doenças, com a possibilidade de redução de custos e de impacto ambiental pelo menor número de aplicações de defensivos. A ferramenta, portanto, contribui diretamente no aumento do índice de produtividade nas plantações.


Lembrando que o Oeste da Bahia é uma região que se destaca na produção nacional de algodão. Na safra 2021/2022, o estado deve consolidar, ao final da semeadura, em torno de 290 mil hectares de algodão, com produção estimada de 563 toneladas de pluma, e produtividade de 1.937 quilos de pluma por hectare. O Oeste do estado concentra a quase totalidade da produção, da qual cerca de 60% são exportados.